Sobre a cidade de Paraguaçu Paulista

A Estância Turística de Paraguaçu Paulista tem suas origens históricas na localidade conhecida, na época, como Conceição de Monte Alegre, fundada por José Teodoro de Souza, que em 1873 faz a doação de áreas de 193 hectares para a fundação de um novo patrimônio, marcando assim a chegada dos primeiros povoadores. Em 1891, Conceição de Monte Alegre foi elevada a categoria de distrito, cujo território se estendia entre os rios Paranapanema e Peixe, até as barrancas do ria Paraná.

José Teodoro Filho, Manoel Pereira Alvim, José Antônio de Paiva, foram os primeiros povoadores da região e se instalaram nas margens do Ribeirão Alegre e Rio São Matheus, posteriormente foram seguidos pelas famílias Moreira, Carvalho, Vieira entre outras.

A ocupação não foi pacífica. Choques, alguns deles extremamente violentos, ocorreram entre os pioneiros vindos de Minas Gerais e os habitantes da região, os índios Caigangs.

Foi a partir de 1910 que Domingos Paulino Vieira – conhecido como Minguta – realizou o loteamento de suas próprias terras em torno da estação de Monte Alegre e que ficou conhecida como Moita Bonita e ficava distante cerca de seis quilômetros da localidade de Conceição de Monte Alegre.

Moita Bonita, nome que se atribui como o primeiro nome dado à nossa cidade não corresponde propriamente ao núcleo urbano que viria a ser mais tarde Paraguaçu Paulista um pouco mais acima deste ponto de referência – Moita Bonita – um pequeno bosque localizado no meio de um campo, a cerca de 400 metros do que depois e até hoje está instalada a estação ferroviária.

Em 1916 o tráfego ferroviário é aberto, o que possibilitou o desenvolvimento das propriedades rurais e, por consequência, de toda a produção agrícola, expandindo, de forma significativa, as áreas cultivadas e, dessa forma, atraindo novos povoadores, novas famílias, provocando assim um rápido crescimento demográfico e econômico do novo povoado.

Com toda esta franca expansão em todas as áreas, em 30 de dezembro de 1924 torna-se unidade político-administrativa independente com a sua elevação à categoria de município, tendo sido instalado em 12 de março de 1925.

Em 5 de março de 1997, graças a visão idealista e moderna do prefeito Carlos Arruda Garms, Paraguaçu Paulista é transformada em Estância Turística, através da Lei Estadual 9.646 sancionada pelo saudoso governador Mário Covas.

Hoje, com uma população de 42.281 habitantes (IBGE, 2010), uma área territorial de 1.000 km2 e uma densidade de 43,35 hab/km2, a Estância Turística de Paraguaçu Paulista se torna uma cidade tranqüila e que serve de opção para muitos que a escolhem para viver e investir.

De acordo com o dicionário de tupi-guarani de Gumercindo Saraiva Rodrigues Alves Pereira de Carvalho, “Paraguaçu” significa “mar grande”, “rio grande”. O nome é formado pela junção de pará (mar, rio grande) e gûasu (grande) . O termo “Paulista” serve para distinguir o município do município homônimo no estado de Minas Gerais.

Tida como a “Princesinha da Alta Sorocabana”, Paraguaçu Paulista vem se firmando no cenário Turístico do Estado de São Paulo como um potencial pólo de desenvolvimento do setor de entretenimento cultural, natural, rural e de lazer.

Alguns a chamam de “Cidade das Águas” o que tem muito sentido, visto que no significado do seu nome Paraguaçu quer dizer “Para” (Água) “Guaçu” (Grande), na língua tupi-guarani, fazendo jus à abundância de águas em todo o município. Água quente jorrando de uma fonte natural rica em flúor, fez nascer o clube Thermas de Paraguaçu – que transformado pelo empresário João Camolesi – denomina-se Resort Parque das Araras. Enquanto isso os rios Água das Mortes e Cachoeira se juntaram para criar o maior lago da região, o Grande Lago do Parque Aquático “Prefeito Benedicto Benício”, formando uma praia pública com areias brancas, palco de inúmeras opções de lazer e esporte.

Situa-se no centro-oeste do estado de São Paulo e faz divisa, ao norte, com os Municípios de Quatá e Borá; ao sul, com Maracaí e Assis; a leste, com Lutécia e Assis; e, a oeste, com João Ramalho e Rancharia. A sede do município fica a 506 metros de altitude, e os Distritos de Conceição de Monte Alegre e Sapezal estão a 458 e 546 metros, respectivamente.

Integra a bacia do Médio Paranapanema, e a hidrografia local destaca o Rio Capivara e o Ribeirão do Alegre. O clima é temperado brando, com temperatura média superior a 22 °C e vegetação natural do tipo cerrado.

O acesso viário a Paraguaçu Paulista é feito pela Rodovia Manílio Gobbi (SP 284,) no trecho Assis – Paraguaçu Paulista, Rodovia Prefeito José Gagliardi (SP 284), no trecho Paraguaçu Paulista – Quatá, Rodovia José Bassil Dower (SP 421), no trecho Paraguaçu Paulista – Oscar Bressane, Rodovia Vereador Miguel Deliberador (SP 421), no trecho Paraguaçu Paulista – SP 270, Rodovia Raposo Tavares (SP 270) e pela Estrada de Ferro (antiga Fepasa e Estrada de Ferro Sorocabana).

Região rica em histórias e conquistas, vistas pelo pioneirismo dos tropeiros a desbravar aquela então inóspita paragem, hoje resgatada pela cultura local com a catira, o teatro, a música raiz, o artesanato, a culinária e a Folia de Reis, que refletem novos horizontes ao apito da velha locomotiva a envolver todos os “Josés e Marias” com a sua fumaça pelos trilhos da antiga Estrada de Ferro Sorocabana, percorridos pela Maria Fumaça “Dona Lina”, levando os felizes passageiros do “Trem Turístico e Cultural Moita Bonita”.

É o despertar de um novo tempo que se vislumbra com o trabalho de um povo ordeiro e hospitaleiro, construindo a cada dia esse lugar.